Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TORTO E A DIREITO

UM BLOGUE SEM PÉS NEM CABEÇA, A TRECHOS LÚCIDO, CONTUDO, TRANSLÚCIDO...MODÉSTIA À PARTE

A TORTO E A DIREITO

UM BLOGUE SEM PÉS NEM CABEÇA, A TRECHOS LÚCIDO, CONTUDO, TRANSLÚCIDO...MODÉSTIA À PARTE

ESFÉRICA OU CHATA?

esférica ou chata.jpg

«Faço-a esférica ou faço-a chata?» - perguntou Elohim (Elo para os amigos), com um pé na Via Láctea, a dar uns toques num asteróide.

«Faze-a chata!» - disse Mefistófeles (Mefisto para os amigos).
«Fá-la, burro!» - corrigiu Elo.
«Estou a falar, e não me chames burro, caralho!» - disse o anjo das Trevas.
«Não é isso, é o pronome!» - disse Elo - E além disso proíbo-te terminantemente de utilizares termos náuticos que ainda não criei!
«Ah, é o pronome?...Realmente!» - fez Mefisto com a ligeira impressão de que Elo tinha metido a pata na poça.
Elo, para não ficar mal na fotografia, criou a Gramática logo no primeiro dia. Mefisto olhou-o com despeito: "Tem a mania que é o Criador, foda-se!" - disse entre dentes...
Assim, a Terra foi criada e ficou chata. Fizeram-se as inscrições e publicações legais na Conservatória do Registo Celestial, como manda a Lei, mas Mefisto ainda lembrou:
«E depois vêm o Copérnico, o Galileu, o Kepler e mais gajada chatear-nos, vais ver!»
«Deix'os vir, podemos muito bem com as teorias deles!» - fez Elo
«E Portugal é para fazeres hoje, ou guardas para amanhã?» - perguntou Mefisto.
«Tem tempo, tem tempo!» - disse Elo
«Ficava feito e dava tempo àqueles manjericos para se prepararem!» disse Mefisto
«Prepararem?» - fez Elo - «Essa é boa!... Para quê?»
«Democracia, qualidade de vida, adesão ao Mercado Comum, essas merdas, 'tás a ver?» - disse Mefisto
«Já te disse que tem tempo!» - repetiu Elo, feito 'nhurro'.
Mefistófeles achou que o mar estava encarapelado de mais para a pesca, muito embora a noção de mar não passasse, por enquanto, dos planos da Criação. Elohim irritava-o sobremaneira. Omnipotente, omnisciente, infinitamente bom, infinitamente justo. "São os piores", pensou. E com um suspiro: "Portugal podia ser, se Ele quisesse, uma grande e próspera Nação."
Elohim percebeu que o outro começava a encordoar e que isso lhe poderia estragar as sestas...
«Vai um bagacinho?» - perguntou Elo.
«Quê, já criaste?» - fez Mefisto.
«Posso fazer agora, alinhas?» - disse Elo.
«Não quero, o primeiro fica sempre muito rascante!» - respondeu Mefisto
«E uma voltinha a pé? É porreiro para as coronárias, pá!» - fez Elo
«'Tás parvo, ou fazes-te? Com este reumático não me tenho nas canetas!» - respondeu Mefisto.
Elohim pensou que o dia não dava para mais nada, não obstante ainda não terem sido criados os dias, tampouco as noites. Não quer dizer que tivesse sido dos menos produtivos. No entanto, criada a Gramática, as contracções pronominais, um plano para o bagaço, e a Terra Chata, por acordo entre as partes, era tempo de descansar.
«Vou-me chegando.» - disse Elo.
«Ci vediamo domani!» - respondeu Mefisto, embora Roma fosse, ainda, uma quimera.
«Até amanhã, se eu quiser!» - fez Elo
"Peneiras do catano!" - pensou Mefisto, descendo aos infernos.

CONTOS DE NATAL

contos de natal.jpg

Certo dia, Elohim nomeou um emissário chamado Gabriel para ir anunciar a boa nova a Maria, uma mulher idosa, natural de Nazaré. Porém, Mefistófeles, Seu eterno arqui-rival, arquétipo da maldade suprema que, além de ser um excelente mimetista, era um mulherengo compulsivo, aproveitou-se da distracção momentânea do Criador, disfarçou-se de Gabriel - o qual fizera desaparecer de cena - e foi ao encontro da virgem Maria Nazarena que, não obstante o tempo lhe ter roubado a graça da juventude, ainda despertava no mafarrico apetites lúbricos. Ou não fosse Mefistófeles!

Assim que aterrou a máquina voadora na qual se fizera transportar desde algures* no infinito celeste, disse a Maria:
«Salve, ó afortunada virgem, o Senhor está contigo!»
Não compreendendo muito bem o significado das palavras do seu interlocutor, Maria esboçou um gesto de dúvida e, naturalmente, temor. Porém, Mefistófeles prosseguiu:
«Não tenhas receio, mulher! Ele enviou-me para te dizer que vais ser mãe brevemente; mais vale tarde do que nunca, não achas?... Vai ser um rapaz vigoroso, fica tranquila. Está escrito que se vai chamar Salvador. Gostes ou desgostes, é o que vai constar na Sua certidão de nascimento!»
«Mas, eu não sou casada, meu senhor! Para além disso, já não tenho idade para conceber»
«Não te rales, Maria! Ele é omnisciente e tudo pode, tudo sabe, e passa ao lado desses pequenos pormenores de ordem burocrática. Prepara-te que o tempo urge. É de Sua indelével vontade que o menino solte o primeiro vagido no dia 25 de um mês de Dezembro. Apressemo-nos, pois, para cumprir os Seus desígnios. Quanto mais depressa for feito, mais depressa contentaremos o Senhor! Quando o sol se puser, unge-te com óleos perfumados e espera por mim que, em nome de Deus, depositarei em ti a semente do Divino Espírito Santo.
Então, Maria, disse:
«Faça-se, então, a Sua vontade, vou ser escrava do Senhor!»

 

Passaram-se meses...

 

José era um homem porreiro, mas tudo tem um limite, mesmo para os valores daquela época em que as normas de boa conduta não eram tão filtradas como actualmente. É claro que, quando despontaram os primeiros sinais da gravidez de Maria, José, não sendo seu marido, pensou que não estava para se casar com uma mulher impura. Ainda se fosse jovem e formosa, vá que não vá! O que é que iriam pensar dele? É que, apesar de tudo, naquele tempo ainda havia muito preconceito...
Numa noite, no regresso a casa, após uns copos e umas horas de reinação num lupanar de Séforis, cidade onde exercia o seu métier de carpinteiro, teve uma visão. Vindo do nada, apareceu-lhe um tipo louro, alto e bem vestido, que lhe disse sem delongas:
«José, filho de David, o Senhor ordena-te que não rejeites Maria. O fruto que ela traz no ventre é o Filho de Deus. Trata de casar com ela, pois essa é a determinação do Senhor!»
No dia seguinte, acusando o efeito de uma noite de boémia, José não ligou grande importância ao sucedido, pensando que se tinha tratado de mais um sonho provocado pelo vinho rascante, comum naquela época, mas, no seu subconsciente, bem lá no fundo, sentia que não podia deixar a pobre criatura de Deus entregue a um destino de mãe solteira. Estava escrito.

Epílogo:
Elohim nunca soube que Mefistófeles Lhe tinha passado a perna, mais uma vez, e tal desconhecimento, ou distracção, como lhe quisermos chamar, adiou o primeiro cisma da cristandade. Contudo, nunca ficou provada a origem da paternidade do Salvador. E, mesmo à luz dos conhecimentos científicos actuais, a verdade, custe o que custar, ficará sempre por apurar. Penso que foi melhor assim porque senão o Natal não teria graça.

 

*há algumas teorias que referem a existência de um lugar inóspito chamado inferno e o associam a Mefistófeles, mas penso que isso são especulações Dantescas.

Mais sobre mim

foto do autor

NOTA MUITO IMPORTANTE

O AUTOR DESTE BLOGUE ESTÁ-SE A MARIMBAR PARA O ACORDO ORTOGRÁFICO!

ESPREITADELAS

hitwebcounter

FLORES DE MAIO

Mensagens

JAZZ COM BIFANAS

O SEU A SEU DONO

Se, neste blogue, houver lugar à existência de qualquer violação de direitos de autores de obras intelectuais, agradeço que me contactem através de joaoratao1@sapo.pt (ou aqui), por forma a poder corrigir a situação. Obrigado.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes

  • Anónimo

    Bocage in "O Bordel Português"Saudações cordiais

  • Anónimo

    Faz-nos pensar que, aqui e ali, ainda se vão encon...

  • Anónimo

    Faz lembrar essa grande quadra de autor desconheci...

  • Anónimo

    Eu ia dizer - que f.... da ..... de texto tão rico...

  • João Ratão

    Pois, com certeza, nem refuto!

subscrever feeds

Posts mais comentados

Pesquisar