Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TORTO E A DIREITO

UM BLOGUE SEM PÉS NEM CABEÇA, A TRECHOS LÚCIDO, CONTUDO, TRANSLÚCIDO...MODÉSTIA À PARTE

A TORTO E A DIREITO

UM BLOGUE SEM PÉS NEM CABEÇA, A TRECHOS LÚCIDO, CONTUDO, TRANSLÚCIDO...MODÉSTIA À PARTE

"ESTE PAÍS NÃO É PARA VELHOS"

Lembrei-me do fantástico "thriller" dos irmãos Coen, baseado no romance homónimo do americano Cormac McCarthy e protagonizado por excelentes actores, entre os quais destaco Tommy Lee Jones, Javier Bardem, Josh Brolin e Woody Harrelson.

 

"Os portugueses vivem cada vez mais. Mais… e pior. A partir de certa idade, os nossos idosos, sem condições de dignidade, sobrevivem apenas. O aumento da esperança média de vida para os 79 anos deve-se à melhoria dos níveis gerais de salubridade e é uma das maiores conquistas da revolução de Abril. Infelizmente, a sociedade não se preparou para as consequências que daqui decorrem e os problemas sentem-nos hoje, amargamente, os idosos.

Com a idade chega, para muitos, a solidão. Na província desertificada, mas também nos centros urbanos, onde o problema é até mais grave, com os idosos a viverem abandonados, sitiados nas suas próprias casas, ora em centros históricos degradados, ora nesses guetos a que chamam bairros sociais. E mesmo nas classes médias desapareceu o conceito de família alargada, realidade hoje rara, que permitia outrora que os filhos apoiassem os pais, enquanto estes acompanhavam os netos.

Mas a saúde, ou falta dela, é o aspecto mais dramático do envelhecimento da população. O apoio médico é escasso, os medicamentos caros. Particularmente aflitiva é a situação dos afectados pelas patologias degenerativas. Só a doença de Alzheimer atinge hoje 100 mil portugueses e respectivas famílias. Não havendo condições para manter os idosos em casa, os familiares internam-nos em instituições que, apesar de desenvolverem um trabalho meritório e abnegado… também não dispõem de condições. Os lares e centros de dia recebem, nas mesmas instalações, idosos capacitados, ao lado de outros que padecem de Alzheimer. Os dirigentes das instituições não descobrem soluções para esta coexistência, os funcionários não dispõem de respostas técnicas. Os utentes e respectivas famílias desesperam.

O panorama só tende a piorar. Já não há garantias de que as reformas cheguem para todos, pois são cada vez menos os que trabalham e têm de sustentar um número crescente de aposentados. Doravante, a solução para quem não é rico ou não emigrou em novo… é não chegar a velho."

 

Paulo Morais in Jornal de Notícias - Opinião - 14-04-2010. Mais actual do que nunca...

 

Mais sobre mim

foto do autor

NOTA MUITO IMPORTANTE

O AUTOR DESTE BLOGUE ESTÁ-SE A MARIMBAR PARA O ACORDO ORTOGRÁFICO!

ESPREITADELAS

hitwebcounter

FLORES DE MAIO

Mensagens

JAZZ COM BIFANAS

O SEU A SEU DONO

Se, neste blogue, houver lugar à existência de qualquer violação de direitos de autores de obras intelectuais, agradeço que me contactem através de joaoratao1@sapo.pt (ou aqui), por forma a poder corrigir a situação. Obrigado.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Calendário

Setembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Comentários recentes

  • Anónimo

    Bocage in "O Bordel Português"Saudações cordiais

  • Anónimo

    Faz-nos pensar que, aqui e ali, ainda se vão encon...

  • Anónimo

    Faz lembrar essa grande quadra de autor desconheci...

  • Anónimo

    Eu ia dizer - que f.... da ..... de texto tão rico...

  • João Ratão

    Pois, com certeza, nem refuto!

subscrever feeds

Pesquisar